sexualidade e emoções

AUTOESTIMA E SEXUALIDADE PDF Imprimir E-mail
Seg, 11 de Janeiro de 2016 16:11

Sexualidade e autoestima andam de mãos dadas. Falar em sexualidade é impossível sem envolver a imagem corporal e as emoções de como nos percebemos. .

A maneira como nos percebemos é carregada de emoções que se traduzem em afeto, alegria e entusiasmo pela vida, mas quando não nos sentimos bem com nós mesmos podemos desenvolver reações comportamentais negativas em relação a si próprio e ao mundo que nos cerca, como tristeza, insegurança e agressividade.

A autoestima envolve o gostar e aceitar-se.

Para muitos homens a preocupação com o tamanho do pênis pode ser um grande obstáculo na sua vida sexual.

Nas mulheres, a insatisfação em relação ao sobrepeso é um exemplo de dificuldade que interfere na sexualidade, principalmente no que se refere ao desejo sexual.

A preocupação com a satisfação e o prazer sexual de homens e mulheres têm aumentado consideravelmente nos últimos anos, priorizando a necessidade de compreender melhor as disfunções sexuais, suas causas e consequências.

Dessa forma, sentimentos e pensamentos influenciam no exercício da sexualidade.

O conceito de autoestima pode compreender como a aceitação de nós  mesmos e de como nos percebemos externamente (fisicamente) e interiormente, através dos sentimentos, ideias, capacidade intelectual e outras expressões do pensamento humano.

A sensação de inadequação, culpa, vergonha e ausência de confiança em si próprio indicam prejuízo à autoestima do indivíduo.

A sexualidade humana sofre influências de fatores como autoestima, autoimagem e autoconceito.

É muito comum chegar no consultório pessoas com dificuldades sexuais, cuja causa está na negatividade da relação da pessoa com seu próprio corpo.

A antecipação do fracasso e a ansiedade do desempenho são processos cognitivos emocionais bastante comuns, que normalmente pode levar a disfunções sexuais.

Confiar em si mesmo e nas suas capacidades conscientes e inconscientes facilitam a superação dos obstáculos e frustrações da vida, incluindo os relacionados à sexualidade.

O trabalho de orientação psicológica com jovens poderia funcionar como uma forma de prevenção no sentido de evitar levar para a vida adulta sentimentos conflituosos relacionados à autoestima, que poderão dificultar intensamente seus relacionamentos afetivos e sexuais.

É na fase da adolescência que ocorre o início do exercício da sexualidade e as dificuldades relacionadas à autoestima podem desenvolver diversos problemas relacionados ao desempenho sexual.

Muitos conflitos são comuns nesta fase de intensas mudanças físicas e emocionais, onde a influência do grupo social que o mesmo está inserido, interferem diretamente em seus pensamentos e atitudes relacionadas a percepção de si próprio e do mundo que o cerca.

O adolescente pode ser mais vulnerável ao sexo desprotegido, colocando em risco sua saúde e uma gravidez não desejada.

O envolvimento com bebidas alcoólicas e as drogas também são comuns nesta fase, principalmente para os jovens com conflitos relacionados à autoestima e a carência do apoio familiar.

Muitos são prejudicados no desempenho escolar, dificultando sua afirmação no mercado profissional.

É importante interromper esse processo repetitivo que dificulta a superação do problema e descobrir novas potencialidades que são inerentes a todos os seres humanos.

Não existe um modelo a ser seguido e um padrão de beleza socialmente perfeito. Cada um deve se aceitar e buscar formas para melhorar o que lhe incomoda.

Todos nós temos algo especial e aptidões que nos torna diferentes um do outro e, ao mesmo tempo, necessitamos de outras pessoas para viver neste planeta de intensas diversidades e possibilidades.

Quantos deficientes físicos tornam-se pessoas de referência em nossa sociedade pela sua determinação e capacidade de superação, descobrindo novas possibilidades de ser feliz e atuante, destacando-se na vida profissional e nos esportes.

Quando nos prendemos a um problema dificilmente conseguimos enxergar outras dimensões e direcionamentos mais satisfatórios para superar nossas profundas insatisfações.

A atitude de buscar soluções é o melhor caminho para a superação de nossos medos e inseguranças que alimentam negativamente nossa baixa autoestima, impedindo a realização de atividades positivas e enriquecedoras na vida em toda sua plenitude.

Por isso, podemos dizer que autoestima é o potencial de saúde mental das pessoas, que está relacionada a essa capacidade de lidar com o luto, enfrentando com maturidade as situações de medo, fracasso e de abandono ao longo da vida.

Quando a autoestima é satisfatória a pessoa torna-se menos susceptível a críticas e sai mais rapidamente do sofrimento gerado por um término do namoro.

Num casamento é comum que um lado tenha uma boa autoestima e outro não. Quando existem desentendimentos é, geralmente, o que tem autoestima que busca uma solução para o problema.

O acompanhamento psicoterápico é o melhor caminho para trabalhar as dificuldades relacionadas a autoestima, e quanto mais cedo (na infância e na adolescência).

Os conflitos emocionais são detectados e tratados terapeuticamente, melhores são as possibilidades de superação e aprendizagem de novas possibilidades de viver com alegria e maturidade para enfrentar os desafios que a vida nos apresenta ao longo da existência humana.

Nunca desistir dos sonhos, este sim é nosso maior combustível para viver com emoção e entusiasmo cada minuto de nossas vidas.

Respeitar nossas limitações e desenvolver nossas aptidões e potencialidades, pois somos pessoas únicas e especiais com capacidade de amar a si próprio e ao outro com suas diferenças.

 

Semíramis Prado

 

Enquete

Quais temas você gostaria de ler a respeito?