sexualidade e emoções

A INTERFERÊNCIA DOS CONFLITOS CONJUGAIS NA SEXUALIDADE PDF Imprimir E-mail
Ter, 12 de Novembro de 2013 03:44

Quando se assume uma vida a dois, o casal necessita ter a consciência que somente por meio de dedicações e investimentos, poderão se adequar às diversas demandas exigidas pela vida, evitando ao máximo, que as mudanças reflitam diretamente na relação do casal.

.

Ao longo dos anos vários conflitos surgem e a habilidade e a vontade de administrar adequadamente estes conflitos são de extrema importância para uma vida conjugal satisfatória.

Trabalhando há mais de 20 anos com casais, percebo que muitos conflitos são decorrentes da própria imaturidade emocional do casal para lidar com questões que, em muitos casos, poderiam ser resolvidos de maneira mais simples, respeitando as diferenças.

Um exemplo que posso citar em relação a este tipo de conflito – um casal que briga constantemente, porque um deles insiste em permanecer com a televisão ligada no quarto, quando o outro já está cansado e quer dormir, existindo outros aparelhos de televisão na residência.

Nestas discussões, em muitos casos, palavras indelicadas são ditas levando às mágoas e ressentimentos que permanecem registrados na mente ao longo dos anos, sempre refletindo no emocional e na relação do casal.

É importante o casal sempre pensar no que vai falar nos momentos de divergências, pois, muitas vezes, não adianta simplesmente pedir desculpas e se arrepender, diante de colocações que magoaram profundamente o outro.

Respeitar as diferenças e sempre tentar resolver os problemas, não apenas pelo seu próprio ponto de vista, como uma única verdade, mas sempre ouvir a opinião do outro e chegar juntos a uma decisão que seja melhor para os dois.

Admitir os erros e em alguns momentos priorizar a realização dos desejos do outro.

Alguns desafios que enfrentam os casais ao longo dos anos que necessitam de uma atenção especial e maturidade de ambas as partes para superá-los e não interferir negativamente na relação conjugal :

– nascimento dos filhos;

– vida profissional;

– a rotina do dia a dia (estresse da vida moderna);

– problemas financeiros;

– doenças na família;

– mudanças da idade (cada década traz novos desafios para o casal);

– problemas com o álcool, fumo e drogas;

– infidelidade.

O casal em crise no relacionamento conjugal reflete, na maioria dos casos, no desempenho sexual.

A mulher magoada pelas palavras inadequadas e indelicadas do companheiro, não se sentirá estimulada para a atividade sexual.

O homem, por sentir que sua parceira está sempre cansada e preocupada com os filhos, consequentemente não mostrando interesse sexual, sente-se frustrado, não compreendido e em muitos casos torna-se mais intolerante e agressivo com a parceira.

Estes exemplos mostram que a falta do diálogo e a incompreensão em relação aos sentimentos um do outro, dificultam a harmonia do relacionamento conjugal.

Cada um precisa falar dos seus sentimentos e necessidades, sempre respeitando os limites e o momento existencial, sem pressões e imposições.

Em muitos aspectos homens e mulheres pensam e sentem de maneira diferente com relação a várias situações da vida. Esses sentimentos precisam ser respeitados e adaptados à vida do casal.

Não existe uma verdade, mas a vontade de ser feliz e viver com satisfação a vida a dois, que, em muitos casos, necessita de constantes adaptações e reformulações nas atitudes.

Evitar situações que magoam o outro e, consequentemente, levam a conflitos desnecessários.

Cada um traz seus valores e verdades que absorveram durante a vida e ao se deparar com opiniões e pensamentos diferentes um do outro, levam a conflitos decorrentes das dificuldades em administrar as diferenças.

Não precisamos ser tão parecidos para viver em harmonia, como também, grandes diferenças necessitam ser avaliadas no período do namoro, pois poderão refletir negativamente numa futura união que, infelizmente, não deveria ter sido realizada e, em muitos casos, só se percebe após o casamento.

É um consenso entre os terapeutas que a dificuldade de expressar seus sentimentos, emoções e insatisfações são as principais causas de conflitos conjugais.

Para muitos homens falar e ouvir os sentimentos da parceira não foi algo bem estimulado em sua história de vida que, consequentemente, são queixas frequentes das mulheres no consultório. Estas dificuldades advêm da expectativa de perder o poder sobre a relação a dois. Procurar ajuda significa ser incompetente para resolver seus problemas.

Trabalhar a expressão das emoções, falar dos sentimentos e insatisfações e, especialmente, reconhecer os próprios limites são aspectos fundamentais na terapia de casal.

“As dificuldades interpessoais e de expressividade emocional, associam-se aos problemas sexuais e merecem atenção na solução destes problemas.” (Oswaldo Rodrigues, 2007)

Para a mulher existe mais flexibilidade em admitir a necessidade de ajuda e procurar um terapeuta.

Acredito que em determinados casos, muitos casais poderiam ter evitado uma separação, se nos primeiros momentos difíceis do relacionamento conjugal, houvessem procurado uma terapia de casal.

A intolerância, o egoísmo e a incapacidade de perceber as necessidades do outro, dificultam o equilíbrio e o amadurecimento da relação.

O desejo de ajudar e proporcionar o melhor para si e para o outro, é o melhor caminho para uma relação conjugal satisfatória.

Na terapia é importante trabalhar as diferenças e, consequentemente, respeitar e ouvir as necessidades, sentimentos e desejos que vão se tornando presentes em cada momento, ao longo dos anos da vida do casal.

Existem situações onde renunciar determinados posicionamentos, também é uma atitude de amadurecimento e sensibilidade diante das necessidades e interesse do outro, sempre cuidando no sentido de não magoar e impor opiniões e valores pessoas, trazendo novas perspectivas para a vida do casal.

Procurar ser mais transparente na relação, no sentido de sempre expressar o cuidado e a preocupação com a felicidade do outro.

Um casal equilibrado na sua relação conjugal, consequentemente repassa para os filhos este clima de amor, harmonia e compreensão.

Procurar mudanças de atitudes, no sentido de melhorar a qualidade de vida, também influencia positivamente na vida do casal.

Sempre buscar momentos a dois, sem a presença dos filhos, familiares e amigos, a fim de que possam se divertir, conversar e ter intimidades em ambientes mais estimulantes e interessantes para o casal.

Procurar um momento pessoal de isolamento, onde possa relaxar, trabalhar a respiração e meditar.

Cuidar da própria aparência física, pois é importante transmitir que estamos sempre procurando estar bem e interessante para o outro, independente da idade, portanto, praticar uma atividade física é essencial para a saúde física e mental.

Buscar a realização de um hobbie que lhe proporcione alegria e descontração.

Trabalhar a vida espiritual para não se fixar exageradamente, nos bens materiais, esquecendo-se de olhar o mundo a sua volta com mais sensibilidade e solidariedade.

Outro ponto importante é que não existe o casamento perfeito. A todo o momento, com o passar dos anos, muitos conflitos e desafios vão impondo ao casal novas atitudes e adaptações para viverem juntos os momentos bons e difíceis que a vida nos proporciona.

A cada momento desafiador da vida, precisamos refletir sobre nossas atitudes na relação conjugal, com os filhos, com nossos familiares, com os amigos e na vida profissional.

A escuta é o melhor caminho para as mudanças comportamentais, portanto, o diálogo é o primeiro passo na busca de soluções para as dificuldades que a vida moderna nos impõe.

Aprender a lidar com as crises no sentido de evitar transferir, inadequadamente, para o outro suas aflições e angústias.

Diante das crises, muitas vezes, por nossas dificuldades pessoais, preferimos negá-las e ignorá-las. Outros se desesperam e brigam insistentemente na busca de serem ouvidos.

Estes conflitos refletem diretamente na sexualidade do casal, por ser um momento onde entregar-se necessita de uma sintonia de emoções e desejos.

Um casal que tem um bom diálogo enfrenta com mais equilíbrio uma dificuldade sexual que possa se apresentar em sua vida conjugal, buscando juntos superar os problemas, sem cobranças e críticas inadequadas.

Muitos casais que chegam ao consultório de terapia sexual, também apresentam problemas na relação conjugal, portanto estes conflitos por mais simples que se apresentem, necessitam ser trabalhados na terapia.

Diante de situações conflituosas que não conseguimos superá-las, o melhor caminho é procurar a ajuda de um profissional qualificado na área de terapia de casal, que em muitos casos nos faz refletir e encontrar melhores caminhos na busca do equilíbrio e na satisfação da família como um todo.

Quando, além dos conflitos conjugais, o casal também apresenta problemas na sexualidade, a terapia sexual poderá ser o melhor caminho para trabalhar as questões sexuais e do relacionamento conjugal.

Semíramis Prado

 

Indicações de livros para leitura:

• Sexo no casamento - Pamela Lister - Editora Gente

• Cuide do seu casamento 5 minutos por dia - Bonnie Jacobson e Alexia Paul - Editora Gente

• Amor e sexualidade (como sexo e casamento se encontram) - Carla Zeglio e Oswaldo M. Rodrigues Jr. - Editora Iglu.

 

Enquete

Quais temas você gostaria de ler a respeito?