sexualidade e emoções

Sexualidade Após os 40 Anos PDF Imprimir E-mail

A sexualidade se desenvolve ao longo dos anos. Desde a infância várias transformações acontecem, não apenas nos aspectos
orgânicos, mas também com a nossa maneira de perceber o mundo a nossa volta, em
nossos sentimentos, emoções e na sexualidade.


Cada fase da vida nos transporta para novas vivências.

Chegar aos 40 anos de idade pode ser um momento de satisfação pelas
realizações conquistadas, mas para muitas pessoas é uma fase de conflitos existenciais.
É uma fase da vida onde se repensa a história de sua vida, e as perspectivas em relação
ao futuro.

Compreender as mudanças que se processam no nosso corpo à medida que se
envelhece, embora inevitáveis, não impedem de realizar diversas atividades que
proporcionam realizações, felicidade e prazer.

No que se refere à sexualidade, as mudanças da idade, nos tornam mais
experientes em relação ao nosso prazer e do outro.

No homem essas mudanças são previsíveis e não devem surpreendê-lo, nem
aborrecê-lo. No entanto, ele precisará de maior estimulação direta para conseguir a
ereção.

Após os 40 anos as ereções espontâneas com a mesma rapidez e facilidade de
quando era adolescente, já se tornam mais difíceis para muitos homens.

Com 20 anos, simplesmente pensar em sexo, ver a parceira nua ou fantasiar a
respeito de alguma situação erótica era o suficiente para fazer o pênis despertar em
questão de segundos.

À medida que envelhecemos, todos os sistemas fisiológicos em nosso corpo
desaceleram. Será necessária uma maior estimulação física no pênis para conseguir uma
boa ereção.

Uma parceira compreensiva e amorosa é importante. A companheira pode ajudar
usando as mãos, a boca, os seios e outras partes do corpo para estimular o pênis, e isso
pode despertar novos caminhos em sua vida sexual.

Uma segunda mudança é que as ereções perderão parte daquela solidez da
juventude. Porém, continuarão a ser suficientemente firmes para penetração com
satisfação para ambos.

Uma eventual incapacidade de ter orgasmo é natural depois dos quarenta. Agora
que seu corpo já não exige rápidas ejaculações, provavelmente será capaz de uma
relação sexual prolongada.

Depois do orgasmo, há sempre um período de tempo durante o qual é incapaz de
obter uma nova ereção. Durante esse intervalo o pênis não irá responder, qualquer que
seja o estímulo. Aos sessenta anos, o homem precisará de todo um dia, ou ainda mais
para conseguir uma nova ereção após ejacular.

Outras mudanças ocorrem com o sêmen, que não será expelido com a mesma
pressão de quando era jovem. Os músculos que controlam a ejaculação já não são tão
fortes quanto antes, mas isso não impede de desfrutar do orgasmo.

A falta da testosterona pode igualmente contribuir para alguns problemas
masculinos. Embora os níveis de testosterona sofram certo grau de redução em todos os
homens, alguns podem desenvolver uma deficiência maior.

Outros fatores contribuem negativamente para a qualidade da ereção de um
homem mais velho: o álcool, o tabaco, determinados medicamentos, algumas doenças,
ansiedade e tensão bloqueiam o mecanismo de ereção.

A hipertensão pode ocasionar endurecimento das artérias que levam o sangue ao
pênis. Isso provoca a diminuição do fornecimento sanguíneo, menor volume de entrada
de sangue oxigenado e consequentemente para conseguir uma ereção. Doenças como a
diabetes podem danificar os nervos responsáveis pelo reflexo erétil.

A sexualidade pode ser melhor depois dos quarenta anos. Muitas mulheres
acreditam que os homens mais velhos são melhores amantes. Essa maturidade
desempenha um grande papel no motivo pelo qual as mulheres gostem de fazer amor
com homens mais velhos.

Atualmente existem vários inibidores da 5 - alfaredutase (vaso dilatadores para
ereção) são facilitadores para a ereção mais satisfatória, indicados principalmente, para
homens com idade superior aos 55 anos.

Lembrando que as disfunções sexuais masculinas, na maioria dos casos, são de
origem psicológica, principalmente, no que se refere a homens com menos de 55 anos.
Nesses casos a terapia sexual é o melhor caminho para a superação das disfunções
sexuais.

Sexualidade da mulher após os 40 anos

Depois dos quarenta anos as mulheres podem descobrir que estão mais relaxadas
sobre sexo em geral. Durante muitos anos de atividade sexual, muitas mulheres ainda

lutam contra a criação repressora. Elas muitas vezes eram sexualmente inexperientes,
tinham medo de experimentar e eram inseguras sobre como dar prazer a elas mesmas e
ao seu parceiro.

Muitas mulheres não aprenderam a ter orgasmo antes dos trinta ou quarenta anos.
À medida que as mulheres começam a fazer sexo melhor e a gostar mais, tendem a ficar
menos inibidas. Também tendem a ter maior interesse em aprender sobre sua
sexualidade. Muitas mulheres acima dos quarenta anos são mais felizes com os seus
parceiros sexualmente.

Após a menopausa, a testosterona que nas mulheres é produzida nas glândulas
supra-renais e nos ovários, é responsável pelo desejo sexual. Algumas mulheres que
experimentam perda de desejo sexual na menopausa, provavelmente podem atribuí-la à
redução dos níveis de testosterona, e não à perda de estrogênio.

A capacidade física de reagir sexualmente costuma ser mantida após a
menopausa. Mulheres com cinquenta e sessenta anos relatam que o desejo sexual
continua tão forte quanto antes. Muitas mulheres mais velhas continuam a se masturbar,
caso estejam sem um companheiro sexual.

Algumas mulheres passam por períodos de extremo desconforto no momento da
menopausa. Os sintomas podem ser emocionais (ansiedade, irritabilidade, insônia,
nervosismo ou depressão) e físicos (com ondas de calor, fadiga, dores de cabeça). Todos
esses sintomas indicam redução aguda de estrogênio.

Não há razão para que qualquer mulher tenha que passar por esses desconfortos
de forma prolongada pela redução do estrogênio. Atualmente esses sintomas podem
diminuir com a terapia de reposição hormonal. Nem tudo que é sexual muda na
menopausa.

Os seios, o clitóris e outras áreas erógenas continuam sendo excitantes, mesmo
após a menopausa. E a maioria das mulheres percebe pouca ou nenhuma mudança em
seus orgasmos.

Procurar ajuda do ginecologista é muito importante nesta fase da vida da mulher.

A sexualidade pode ser vivenciada satisfatoriamente, independente da idade da
mulher.

A sexualidade do homem após os 40 anos

Para o homem, não conseguir ter seu pênis ereto pela simples vontade, começa a
se tornar realidade. Quanto mais se aborrece ou tenta obter uma ereção, mais difícil de

ser bem-sucedido. Portanto, homens acima dos quarenta anos se preocupam muito com
sua vida sexual e têm um alto grau de ansiedade a respeito de seu desempenho.
Costumam acreditar que devem atender às expectativas irreais sobre o comportamento
sexual masculino.

Existem as queixas mais comuns de homens com mais de 45 anos:

- A ereção não está tão firme quanto antes.

Preocupação com essa nova realidade acentua ainda mais as dificuldades na
qualidade das ereções.

- Não conseguir manter as ereções.

Muitos homens acham que uma ereção deve durar todo o tempo da relação, sejam
5 minutos ou 45 – e que uma vez perdida, é o fim de tudo. Ao longo de uma relação
sexual demorada, a ereção em homens com mais 40 anos pode surgir e desaparecer três
ou quatro vezes, mesmo que você permaneça sexualmente excitado e desejoso. Não há
nenhum problema quando isso acontece. É perfeitamente natural.

- Não conseguir ejacular durante o ato sexual.

É surpreendente como vários homens acham que têm um grave problema sexual,
porque eventualmente não conseguem chegar ao orgasmo.

Muitos homens mais velhos descobrem que, mesmo estando altamente excitados,
não têm a necessidade de um orgasmo a cada vez que fazem sexo. Caso o homem
esteja cansado, estressado ou teve um orgasmo há pouco, pode não sentir necessidade
de outro.

Relaxar e aproveitar o sexo, não importando se chegará ao clímax ou não, irá
descobrir que poderá continuar com a relação sexual durante muito tempo.

- Já não estou sempre pronto para o sexo como antes.

Um outro mito que pode levar o homem a ter problemas é o de que ele deve estar
sempre interessado em sexo, e que, deve ser sempre capaz de ficar excitado quando tem
uma parceira atraente e desejosa.

Um homem só se considera bem-sucedido, se acha que é sexualmente bem-
sucedido. Suas expectativas, irreais, somadas às de suas parceiras, podem produzir
muito sofrimento desnecessário.

Melhorar a qualidade de vida

- Reveja suas prioridades – ao longo do dia comum, você está sempre definindo
prioridades, escolhendo fazer coisas importantes para sua vida, mas na grande maioria
dos casos, sobra pouco tempo para os momentos de intimidade e carinho que fazem a
diferença quando se está ao lado de quem se gosta.

- Esquecer os ressentimentos. Se estiver perturbado pelas irritações durante o dia, seja
em problemas do trabalho, ou por problemas conjugais do passado, isso poderá
interferir no desempenho sexual satisfatório.

- Concentre-se nas sensações físicas. O método mais simples e direto é fixar a atenção
nas sensações físicas que está sentindo ao ser tocado.

- Conversem sobre seus sentimentos e sensações – as técnicas podem ser ampliadas
se o casal falar sobre o que está sentindo e descrever suas sensações que, além de
excitantes, ajudará a concentrar-se.

- Fantasiar – a fantasia pode ser uma forma muito poderosa de concentrar sua atenção
numa atmosfera sexual.

- Ajudar o outro a superar as dificuldades sexuais – o diálogo e a compreensão de
nossos sentimentos é o melhor caminho.

- Superar as inibições que impedem que você seja livre no ato sexual. As inibições
incutidas em nós por uma criação repressora, também podem impedir que desfrutem
totalmente do sexo.

- Variedades sexuais – para muitos casais mais velhos, o ato sexual perde a
espontaneidade. Percebem que estão fazendo sexo da mesma forma, no mesmo lugar,
na mesma hora. Mudar a rotina da vida sexual é importante para que haja uma maior
satisfação para o casal. Atualmente existem vários livros interessantes sobre técnicas
sexuais nas grandes livrarias, que podem ajudar na sugestão de novas experiências
sexuais. A cooperação e compreensão entre o casal são cruciais para o sexo mais
estimulante. No sexo, as carícias ternas e afetuosas são importantes e bastante
relaxantes.

- Cuidados com a saúde são fundamentais para uma melhor qualidade da vida sexual.
• Cuidados com a alimentação
• Atividade física
• Dança
• Ioga

- Procurar orientação de um psiquiatra nos casos de depressão, ansiedade, etc.

- As mulheres devem procurar a orientação de seu ginecologista e os homens do
urologista.

- Evitar o álcool, fumo e drogas que interferem diretamente no desempenho sexual.

Esta é uma fase da vida para se descobrir novas formas de prazer e estruturas
eróticas, que podem tornar o sexo mais estimulante e prazeroso do que no passado, onde
ainda eram jovens e imaturos para perceber o que estão vivenciando na maturidade.

Muitos casais quando chegam ao meu consultório tinham regras rígidas sobre a
vida sexual, portanto, não aceitam vivenciar novas experiências sexuais por se sentirem
desconfortáveis e inseguros.

Aprender a conhecer melhor o próprio corpo e do parceiro é o primeiro caminho
para uma sexualidade mais prazerosa e certamente aprenderão o que significa “fazer
amor”.

Semiramis Prado

 

 

Enquete

Quais temas você gostaria de ler a respeito?